quarta-feira, 1 de agosto de 2012

MODA PARAENSE: JÓIAS E BIOJÓIAS



DIGITAIS DA AMAZÔNIA

FOTOS DAS PEÇAS: BIANCA RIBEIRO

Imagine gemas vegetais se harmonizando com o brilho da prata e a textura das fibras naturais para formar uma bela coleção denominada “Digitais da Amazônia”. Essas gemas vegetais surgem a partir de resinas naturais criadas de técnicas inéditas de ourivesaria assinadas por Paulo Tavares - ourives e pesquisador autodidata, que juntou toda a sua experiência ao talento criativo de Mônica Matos, para criar peças exclusivas em gemas vegetais, que retratam a fauna, a flora e toda a biodiversidade da floresta e da cultura amazônicas. Através de um projeto de pesquisa apoiado pelo Programa de Desenvolvimento do Setor de Gemas, Joias e Metais Preciosos do Pará, criado pelo Governo do Estado e gerenciado pelo Instituto de Gemas e Joias da Amazônia (Igama).
São peças que trazem para o mundo da joalheria as nervuras das folhas, o retorcido dos cipós e galhos, as múltiplas formas dos animais que habitam esse universo tão particular, como macacos, borboletas, peixes, serpentes e tartarugas.
O resultado desse trabalho levou dois anos e dois meses, mostra a beleza da matéria prima e o conceito de sustentabilidade onde inclui um projeto de geração de renda para comunidades do interior do Estado e o mapeamento e distribuição de mudas de Pau Brasil - A árvore símbolo do país é uma das inspirações de algumas peças, como o anel “Seringa”, que se transforma em pingente (peça inspirada na forma da semente da seringueira e confeccionada com gema vegetal da resina do Pau Brasil), e o conjunto “Pau Brasil”, formado por pingente, colar e anel, reproduzindo a forma das lascas da palmeira, descartadas naturalmente pela natureza.
A coleção, que já esteve exposta no Espaço São José Liberto, numa promoção do Igama, em parceria com o Governo do Pará, por meio da Secretaria de Estado de Indústria, Comércio e Mineração (Seicom) e em breve, terá continuidade com outras peças. Confira algumas peças.

(pagina ao lado)
AÇAÍ
FOTO DA PEÇA: Ocione Garçon

Com um projeto denominado “Açaí”, fruta típica do Pará, a designer paraense Selma Helena Montenegro, uma das pioneiras do segmento no Estado e dona de invejáveis títulos de concursos, é uma das 18 finalistas (entre 1.386 inscritos de todo o país) do AngloGold Ashanti AuDITIONS - Maior concurso de design de joias de ouro do mundo. E que celebra sua 10ª edição no país com o tema “Brasilidade”.
            Para o concurso, Selma Montenegro apostou no colar composto de fibras de miriti e gemas minerais diversas, como quartzo verde, ágata, citrino, crisoprázio e malaquita, além da gema orgânica caroço de macaúba. A peça que é o forte do seu trabalho, que leva um tema similar ao (“Fruto da Terra: Açaí” ) que já lhe rendeu a primeira premiação da sua carreira, em 2006 no Prêmio IBGM de Design de Joias.
Nessa edição do concurso, a atriz Taís Araújo foi escolhida como embaixadora e “Golden Girl” onde representará com sua beleza tipicamente brasileira, a imagem do concurso nos anos de 2012 e 2013, por meio de fotos, desfiles e eventos para divulgar o evento promovido pela AngloGold Ashanti, a maior produtora de ouro do país e uma das maiores do mundo.
Na etapa seguinte do concurso, a mineradora fornecerá o ouro para os classificados confeccionarem as peças, que deverão ser entregues até setembro, quando passarão por um novo julgamento. Os vencedores, em duas categorias, serão anunciados em novembro, em Belo Horizonte (MG). E Selma Montenegro avisa que guarda a “sete chaves” o projeto que desenvolverá em Belém e usará ouro e tucumã (fruto da Amazônia). A designer já está estudando propostas de patrocínios e apoios para a produção da peça.

Um comentário:

stefano Ricci disse...

A coleção de joias de Mônica Matos é caracterizada com foco na iconografia Amazônica.
Estou particularmente feliz por constatar na coleção a evolução do tema e da metodologia que eu introduzi no 2° e 3° Workshop Internacional de Design e Ourivesaria, que ocorreu no espaço SJL , promovido pelo IGAMA (instituto de gemas e joias do Pará) respectivamente em 2009 e em 2010 que é descrito por mim e pelo Dr. Claudio Franchi nos textos editados em 2011 pela editora Paka-Tatu em " Joias do Pará : design, experimentações e inovação tecnológica nos modos de fazer" organizado pela Prof.ª Rosa Neves. Que aguarda lançamento.

Mônica Matos, com a ajuda do sábio mestre ourives Paulo Tavares, soube infundir na matéria, que dá forma as joias, os valores intangíveis - em especial da poesia - o que os torna elegante e atemporal, endossável e adaptado também ao público internacional.

Os alunos do mestrado "Product Design for Rapid Manufacturing - Wearable Luxuries" , que estou ministrando junto com o Dr. Claudio Franchi a universidade La Sapienza de Roma, tiveram através dos projetos de Mônica Matos um maior estímulo para produzir uma joia com mais significado, identificável e reconhecível, experimentando e verificando - com o mesmo método a cima mencionado - uma leitura crítica de referimento tratado do "genius loci" romano.
Espero ver em um futuro próximo, outros exemplos importantes como os de Mônica Matos e Paulo Tavares. Justamente exaltado e verificado deste artigo, que assim como outros publicados sobre a coleção exprime o merecido consenso do Público.
Stefano Ricci.